Arena Fonte Nova

O projeto básico de reforma do Estádio da Fonte Nova é resultado do desenvolvimento do projeto elaborado para a PMI 01/2008 – Escolha de estudos preliminares e conceituais para o Estádio Octávio Mangabeira/Fonte Nova e seu entorno, acolhido pelo Governo do Estado da Bahia em 30 de setembro de 2008.

No projeto inicial do Estádio da Fonte Nova, todo o anel superior seria substituído devido ao risco de segurança, o anel inferior no lado leste receberia recuperação e reforço de estrutura e no lado oeste seria totalmente reconstruido para abrigar as novas áreas VIP, para jogadores e imprensa.

Com as solicitações do comitê organizador da Copa do Mundo de 2014 – FIFA, a possibilidade de se retirar os equipamentos de atletismo do Estádio da Fonte Nova e melhorar todas as suas instalações, o projeto evoluiu, transformando o Estádio para o formato de Arena (sem pista de atletismo), porém mantendo-se o partido arquitetônico original de ferradura e com abertura no lado sul. A retirada da pista gerou alterações de geometria no Estádio, otimizando as condições de visibilidade.

Com o processo licitatório ganho pelo consórcio Odebrecht/OAS e a criação da SPE Fonte Nova Negócios e Participações, o projeto sofreu uma revisão, visando a melhora da operação do estádio e ao atendimento dos comentários de agosto/09 do LOC.

Arena Fonte Nova – Investimento R$ 591,7 milhões.

CAPACIDADE DO ESTÁDIO

A capacidade do estádio para a Copa será de 50.433 lugares, onde o setor VIP tem 880 assentos, os camarotes têm 1.127 assentos e a imprensa ocupará 3.950 cadeiras (durante a Copa do Mundo), assim a capacidade descontando-se VIP e imprensa é de 44.476 lugares, onde 3.157 são assentos de hospitalidade.

Tendo em vista o pleito de recepcionar o Jogo de Abertura da Copa, o estádio será adaptado para o cumprimento das exigências estabelecidas pela FIFA, através do seu caderno de encargos para 60 mil assentos líquidos, bem como a adaptação do Centro de Imprensa.

VÍDEO DO PROJETO DE MODERNIZAÇÃO

NÍVEIS

O acesso para ônibus de jogadores e outros veículos de serviço é pela Av. Vasco da Gama. Este acesso cria um percurso e serve de entrada para os níveis de estacionamentos internos e para estacionar os ônibus de jogadores direto no nível dos vestiários.

O nível 1 é o primeiro nível de estacionamento interno, localizado sob a laje da abertura do lado sul, que poderá ser utilizado também para o restaurante fora dos dias de jogos, com 184 vagas no total. Também abriga a área técnica e os acessos por elevadores do restaurante.

O nível 2 é o nível do campo e será construído um estacionamento para o público VIP com 398 vagas e durante a Copa também será usado para os veículos oficiais. Também abriga a área técnica com equipamentos de ventilação e os acessos por elevadores do restaurante e setor oeste com vestiários, setor VIP e imprensa.

Na área oeste, sob o estacionamento, foi projetada a instalação de um reservatório de águas pluviais para captar a água proveniente da drenagem e ser aproveitada nos vestiários, onde não se faz necessário o uso de água potável e na manutenção do gramado, economizando-se recursos naturais.

O projeto também prevê a reforma do sistema de drenagem do gramado e adequação do tamanho do campo para 105x68m, conforme estipulado pelo caderno da FIFA.

A abertura da arquibancada no lado sul terá o acesso ao gramado por rampas, ao restaurante pelos elevadores e às arquibancadas inferiores. Esse espaço também poderá ser utilizado para construção de estruturas desmontáveis de palcos para apresentações musicais ou cultos religiosos, promovendo outros usos ao estádio e consequentemente, outras possibilidades de renda, visando sua sustentabilidade.

Na área técnica ao sul e ao norte localizam-se 3 das 4 subestações de energia, inclusive a principal de entrada.

Este nível também aproveitou as áreas sob as arquibancadas inferiores no lado oeste e leste para mais vagas internas de estacionamento para imprensa e público de hospitalidade respectivamente, com 205 vagas no total.

Neste nível estão os vestiários da equipe A e equipe B, vestiário de juízes, vestiários para funcionários, a zona mista com estúdios para emissoras de TV, escritórios e, no eixo leste-oeste, o túnel de acesso ao campo, todos com as áreas estipuladas pela FIFA.

No lado oeste está a rampa de acesso com circulação separada para automóveis nos níveis de estacionamentos e para os ônibus de jogadores que leva aos vestiários/zona mista, com entrada pela Av. Vasco da Gama e saída para a Ladeira da Fonte das Pedras.

O estacionamento dos ônibus de jogadores leva ao hall de entrada com caixa de escadas e elevadores que interliga verticalmente todos os níveis, tornando o estádio acessível aos deficientes físicos e a todos, conforme a norma NBR 0950 e orientação da FIFA.

No lado leste localiza-se mais um estacionamento para público de hospitalidade com mais 69 vagas, perfazendo um total de 856 vagas internas ao estádio no total, e também a quarta subestação.

Esse nível é o de distribuição/circulação com acesso à arquibancada inferior, intermediária e superior.

O projeto prevê novas escadas de acesso, novos quiosques/bares, novos sanitários para o público do anel inferior, além de salas de primeiros socorros e um posto policial.

As dimensões das escadas e suas quantidades foram adequadas de acordo com o “Green Guide” conforme solicitação do LOC.

A abertura do anel no lado sul foi preservada conforme o projeto original mantendo o partido arquitetônico e sua intenção de uma melhor ventilação interna do Estádio.

Com a mudança da geometria das arquibancadas, pode-se separar em dois níveis a área VIP. No nível 6 fica o salão de eventos (“business lounge”), que ficou maior e possui um terraço que leva direto à tribuna de honra (VIP) e tribuna VIP na arquibancada do anel intermediário.

Essa distribuição, com um nível a mais, abre espaço para outros usos como museu, salão multifuncional e escritórios para a administração. Essas novas instalações deverão ser utilizadas como área de hospitalidade e VIP’s durante a Copa, e tornam o empreendimento mais atrativo para investidores, pois representam outras fontes de renda após a Copa.

ÁREA EXTERNA

A nova Arena contempla soluções urbanísticas adequadas, visando o menor impacto possível em seu entorno ao meio ambiente. Um dos objetivos será a valorização de seu entorno, tornando-se um marco arquitetônico e um polo de desenvolvimento para a região, tirando partido de sua localização estratégica. Entre as propostas urbanísticas para o entorno, se destacam a construção de um estacionamento em prédio anexo a Arena, bem como praças e via de pedestres.

Em uma área total de intervenção de aproximadamente 120.000 m².